woensdag 31 oktober 2012

Cacau biológico do Brasil vira chocolate suíço

Cacau biológico do Brasil vira chocolate suíço
Organic Cacao Brazil become Swiss chocolate ...
A empresa suíça Confisseur Läderach AG foi buscar no Brasil o Cacau Cabruca, produzido de forma biológica na Bahia e que está fazendo nome pela qualidade e refinamento no gosto. Sandra Kessler Büchler, da Läderach, explica como a empresa descobriu o produto e porque decidiu importá-lo e criar uma nova linha em sua produção.

1. Como começou a produção do Cacau Cabruca e onde ele é produzido?R. A Cabruca, Cooperativa de Produtores Orgânicos do Sul da Bahia, é um projeto dos órgãos de proteção ambiental do Brasil. Esse projeto é desenvolvido em Una, Bahia, próximo a Ilhéus.

2. O que é tão especial no cacau Cabruca?R. Cabruca não é um tipo de cacau puro. Ele mistura vários tipos, como o Criolo, Forasteiro e outros, de acordo com a vontade da natureza. Várias árvores são inclusive resultado de algum cruzamento de espécies.
O que é especial é que as árvores do Cabruca crescem no meio de uma área florestal protegida, de forma que podem tirar proveito da variedade de elementos naturais que o meio ambiente oferece. As árvores de Cabruca crescem sem a utilização adicional de estrume ou produtos químicos. Além disso, o consumo do cacao Cabruca representa um apoio à preservação da Mata Atlântica brasileira, pois graças a ele a floresta pode ser utilizada de forma sustentável. Antigamente havia muito desmatamento nesta região. Essa era a fonte de renda de muitos trabalhadores. Hoje esses mesmos trabalhadores plantam cacao e ganham assim o pão de cada dia. A grande diferença é que a floresta permanece preservada.

3. Para a produção desse tipo de cacau foi formada uma cooperativa. Quem dirige a cooperativa e quantas pessoas estão envolvidas ao todo?R. A cooperativa foi formada como forma de reagir à drástica queda da produção de cacao provocada pela praga “vassoura de brucha”, no início dos anos 90. A situação era complexa e era preciso, por um lado, conter o desmatamento e garantir uma nova fonte de renda para os moradores dessa região da Bahia. A solução foi Cabruca. O nome identifica uma tradicional arte de plantar desenvolvida no Brasil há 200 anos. Por respeito à natureza e pensando nas gerações futuras, as árvores da Mata Atlântica não eram derrubadas. Os plantadores de cacau não faziam clareiras para plantar e as árvores cresciam num
meio ambiente intacto. Diferente das plantas cultivadas em monocultura, essas árvores não precisavam de irrigação artificial e eram mais resistentes às pragas. O solo fértil da Mata Atlântica susbtituia os fertilizantes químicos e garantia o crescimento biológico.
Na busca por um professional para realizar o projeto da Cabruca as autoridades ligadas à proteção do meio ambiente no Brasil contactaram o agricultor biológico suíço Marc Nüscheler. Sua experiência e o impulso financeiro inicial por fundos privados e do Estado garantiram o sucesso do empreendimento, iniciado em 2000. A cooperativa continua sob direção de Nüscheler e conta hoje com 62 associados e mais de 1000 pessoas envolvidas. São cultivados cerca de 3 mil hectares, sendo
o cacau o produto principal, mas incluindo também palmito, frutas secas e pimenta preta. Roland Müller, amigo de escola de Nüscheler e por muito tempo produtor de óleo de oliva biológico na Toscana, encantou-se com o projeto da Cabruca e juntou-se à equipe. Hoje a Cabruca produz 200 toneladas de cacau por ano e tem todos os seus produtos bio-certificados
4. Como a cooperativa combina a produção com a preservação da natureza?R. No meio das enormes árvores que formam a floresta, crescem aqui e ali as árvores de cacau. O cacao vive da floresta, ou seja, ele absorve a água e os nutrientes de seu meio ambiente natural. Assim cria-se também uma razão a mais para não desmatar a floresta: ela desempenha uma função muito importante para a produção do cacao.

5. Qual a influência da produção biológica sobre o preço do produto final?R. O cacao Cabruca é um pouco mais caro que a massa de cacao “normal”. Isso porque sua produção no terreno acidentado e em meio às árvores da floresta é mais complicada. Além disso, o cacao Cabruca obedece a rigorosas normas de qualidade: ele é por exemplo fermentado e fica mais tempo secando do que as massas de cacao mais baratas. O resultado é inacreditável! Esse cacao é, por seu gosto e qualidade, um cacao nobre de primeira e não guarda qualquer semelhança com uma massa de cacau normal.
Faça você mesmo o teste: compre um chocolate escuro barato, por exemplo, o chocolate para cobertura do Migros e compare-o com um cacau nobre (Edelcacau – Cabruca ou outro). Deixe o chocolate derreter lentamente sobre a língua e compare a diferença. Para senti-la você não precisa ser nenhum conhecedor no assunto!
Em geral pode-se dizer o seguinte: chocolates baratos contêm muito açúcar e pouco cacau. Aí não se sente mais praticamente nada do gosto do cacau!
Sobretudo nos chocolates escuros sente-se a verdadeira diferença entre cacaus bons e ruins. Muitas pessoas não gostam de chocolate escuro, pois o consideram amargo e ácido. Mas isso acontece provavelmente porque elas nunca experimentaram um bom cacau, de alta qualidade. Apenas nos últimos anos chegaram à Suíça os chocolates escuros e os cacaus nobres de alto percentual. A oferta de bons cacaus felizmente aumentou consideravelmente. E as pessoas também estão dispostas e pagar mais por um bom cacau.

6. Como o Confiseur Läderach AG chegou ao cacau Cabruca? Quais foram os fatores decisivos para sua importação?R. O Confiseur Läderach AG trabalha junto com a Max Felchlin AG. A Max Felchlin AG chegou ao cacau Cabruca e sua cooperativa por acaso. Os fatos determinantes para a escolha foram, em primeiro lugar, a qualidade do cacau, o tipo de produção sustentável desenvolvido e as condições sociais justas do trabalho. A Max Felchlin AG tem anos de experiência na compra e importação de cacaus nobres. Antes que uma nova espécie de grão de cacau seja importada para a Suíça pela Max Felchlin é realizado um rigoroso controle de qualidade. Também a Cooperativa Cabruca foi examinada cuidadosamente
(Condições de trabalho, contratos, etc).


7. Que produtos do Confiseur Läderach fazem parte da Linha Cabruca?R. Temos no momento quatro produtos na Linha Cabruca: 70% Cabruca Truffes, recheada com Cabruca Ganache e coberta com pó de cacau; 70% Cabruca Pralinés, também recheadas, 70% Cabruca chocolate fresco e a partir da primavera de 2009 teremos também o 70% Cabruca Carrés, com diversos recheios de frutas.

8. Onde podem ser adquiridos os produtos Cabruca na Suíça?R. Em todas as 27 lojas da Merkur Confiserien na Suíça, assim como na Läderach Boutique em Glarus.
9. A senhora gostaria de dar mais alguma informação aos nossos leitores?R. O Brasil foi uma vez o maior exportador do mundo. Infelizmente o país se concentrou mais na quantidade do que na qualidade. O objetivo era o lucro rápido. Com a praga da “Vassoura de brucha” muitas plantações foram destruídas e a colheita brasileira de cacao na época reduziu-se a 1/6. Também a imagem do Brasil como excelente produtor de cacao sofreu muito.
Hoje o Brasil luta para recuperar suas plantações, eliminar a praga e conseguir produzir novamente cacau de alta qualidade. Cabruca é um modelo exemplar de como, com grande disposição, força de vontade e um conceito sustentável, é possível produzir um ótimo cacau. Cabruca é importante para o Brasil porque ele contribui para a boa imagem do cacau brasileiro no exterior.